Espetáculo de gratidão

Gente jovem, bonita, de riso largo. Gente talentosa, afinada, de verdade. Gente cantora, instrumentista, intérprete. Artistas. Sensíveis para entender. Precisos para comunicar. E ousados, no desafio de recriar e celebrar um dos mais ricos imaginários da música brasileira. Milton Nascimento, Nada Será Como Antes – O Musical é, acima de tudo, um espetáculo de gratidão.

Gratidão à novidade, à juventude, à fé, à esperança, à coragem, à força, à alegria, à inspiração, à natureza – elementos-chave do universo criativo do compositor. Gratidão ao amor e à amizade, pilares da obra e da vida do Bituca. E, principalmente, gratidão à música, expressão que alimenta, envolve, emociona. Cura. Quando Charles Möeller e Claudio Botelho optaram por contar a história dos 50 anos de carreira e 70 de idade de Milton Nascimento estritamente por meio de suas canções, escolheram o caminho mais difícil, sem fórmulas e cronologias; porém, o mais fiel.

No palco, o elenco enfrenta as difíceis composições com maestria vocal, instrumental e cênica. Todos tocam e cantam. Estrela Blanco dá o tom da qualidade do espetáculo na bela Canção Amiga, poema de Drummond musicado por Milton; Cássia Raquel prima pela força e segurança em Caicó; e Lui Coimbra revisita com delicadeza San Vicente. Já Pedro Sol esquenta a apresentação com a roqueira Para Lennon e McCartney, enquanto Marya Bravo emociona em arranjo minimalista de Maria, Maria. Jules Vandystadt surpreende com Unencounter, versão em inglês para a clássica Canção da América, e Sérgio Dalcin destaca-se pelo carisma e pela terna interpretação de Coração de Estudante.

À altura do elenco estão cenário, iluminação e figurinos. Os números se passam em uma aconchegante sala de estar mineira, trespontana, com portas abertas a quem chegar e com paredes repletas de referências sacras para completar o clima interiorano. A música que acontece em casa e, imediatamente, contagia a todos remete à liberdade criativa das composições dos integrantes do Clube da Esquina, divididas no espetáculo em quatro partes – Primavera, Verão, Outono e Inverno – e reforçadas por fina iluminação, responsável por momentos memoráveis, como Milagre dos Peixes.

O conjunto da obra expõe no palco toda a intensidade autoral do homenageado. Para ele, aliás, que assistiu ao musical inúmeras vezes, o espetáculo deve significar, no mínimo, um balanço geral muito positivo da carreira, uma feliz rememoração. Para o público, reforça o sentimento de que os sonhos – e as músicas – não envelhecem. Além da apoteótica certeza de que, depois de Milton Nascimento, definitivamente, nada será como antes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s