O que aprender sobre carreira com Bibi Ferreira

Independente de gostar ou não de teatro, todo mundo tem muito a aprender com a trajetória de 75 anos de carreira e 94 anos de vida da atriz, cantora e diretora Bibi Ferreira. Isso mesmo, você não leu errado: são mais de sete décadas na ativa! E ela segue a plenos pulmões, porque ama o que faz, não tem medo do tempo (pelo contrário, encara-o com bom humor), continua dedicada, rigorosa, perfeccionista e sempre demonstra gratidão e respeito por seu público. Esses elementos, acredito, levaram Bibi a construir sua inquestionável credibilidade, a se tornar referência entre seus pares e a não passar nem perto da tão famosa aposentadoria.

Pensando nisso, tomo a liberdade de questionar: você ama o que faz? A pergunta parece chavão, mas sua resposta é valiosa. O amor ao ofício consiste na base do sucesso de Bibi Ferreira – e de qualquer um de nós. Quando a vejo em cena cantando com entusiasmo e, após o espetáculo, apesar do cansaço, recebendo o público com carinho, imagino como aquelas pessoas cujo principal trabalho é reclamar do trabalho encarariam mais de 70 anos no batente… A verdade é que tendemos a viver mais e a nos aposentar cada vez mais tarde (e todos hão de convir, não vai dar pra contar apenas com a aposentadoria). Assim, trabalhar a contragosto é um martírio com níveis de tortura em aumento exponencial. É o que você quer?

Bibi ama o teatro, o palco. A palavra. Acredita na beleza do que já fez, faz e ainda planeja fazer (sim, tem até show em Nova York daqui a alguns meses!!!) e, por isso, segue em atividade, sem nenhum desejo de parar, atuando com satisfação e, principalmente, bom humor. Aliás, você é bem-humorado? Ou a chegada ao escritório é como uma tempestade interrompendo um feriado de sol pra você? Bibi entra em cena sempre animada, divertida, brincalhona. E a idade tem sido o principal alvo de suas piadas. No show de comemoração pelos 75 anos de carreira, por exemplo, surpreendeu o público ao abrir o espetáculo com Eu nasci há 10 mil anos atrás, sucesso de Raul Seixas. Típica ironia. Afinal, a seriedade dedicada ao trabalho nunca foi um empecilho à alegria de realizá-lo. Seriedade não significa cara feia, mas “apenas” responsabilidade.

E a responsabilidade de Bibi vem do imenso respeito que ela tem à profissão que escolheu e a quem procura por seu trabalho: o público. “Quanto maior a ovação, maior a responsabilidade”, costuma dizer. Ela considera uma honra ter uma plateia diante de si e, se pudesse, cantaria de joelhos para demonstrar o quanto respeita cada um de seus espectadores, conforme afirmou em entrevista recente na televisão. Dessa postura sensata vêm o perfeccionismo, o rigor, a dedicação. Apesar dos anos de estrada, Bibi nunca julga um trabalho como fácil. Gosta dos desafios. Ainda fica nervosa antes de se abrirem as cortinas e, no dia a dia, cuida da voz, ensaia, lê muito, estuda. E você? Ainda está disposto a aprender sobre o seu trabalho? A se aprimorar? Trata todos os seus contatos com a devida atenção ou prefere fingir que não leu aquele e-mail – à primeira vista – desinteressante?

Com uma estrada repleta de sucessos e condecorações, Bibi talvez pudesse se portar como uma diva inatingível; porém, é visivelmente humilde diante dos elogios e dos carinhos que recebe da plateia nos espetáculos, sempre agradece as declarações do público e, sem pensar duas vezes, divide o sucesso com a orquestra, ao pedir que os músicos se levantem para receber os aplausos. Você, por sua vez, tenta colher sozinho os louros dos projetos bem-sucedidos ou sabe compartilhar? Ou prefere compartilhar mesmo apenas a autoria das falhas? Já desenvolveu o hábito de agradecer?

Sempre que ouvir falar de Bibi Ferreira ou, simplesmente, quando fizer uma pausa de alguns minutos para refletir sobre trabalho, sugiro que você pense o seguinte: quando completar seus 94 anos – as chances disso acontecer são cada vez maiores –, gostaria de continuar fazendo o que está fazendo agora? Se a resposta for negativa…

Bem, se a resposta for negativa, é hora de começar a repensar sua carreira, seus objetivos, suas especializações. Melhor: hora de repensar sua vida para, assim como Bibi, poder chegar aos 94 anos e, sem receio, repetir os versos da música de Michel Vaucaire e Charles Dumont, eternizados na voz de Edith Piaf: “Non, je ne regrette rien.”

Anúncios